quinta-feira, 1 de setembro de 2016

Simplesmente Você - Cissa Prado - Editora Charme

Livro: Simplesmente Você
Autora: Cissa Prado
Editora: Charme
Casal: Helena e Eduardo

Sinopse: Helena é uma jovem simples, divertida e muito desastrada. É bem sucedida profissionalmente e tem uma vida pessoal tranquila. Mas isso muda completamente quando, de maneira inusitada, o destino coloca Eduardo em sua vida. Alto, moreno e dono dos olhos azuis mais lindos que ela já viu, ele vira sua vida de cabeça para baixo e uma paixão arrebatadora surge entre eles. Helena tenta se afastar e evitar o que sente, mas a atração entre os dois fala mais alto.
Eduardo é um homem fantástico, mas também muito misterioso e fechado. Ele não permite que ninguém se aproxime, até que Helena, com seu jeito maluco, começa a quebrar suas barreiras.
Mas um segredo entre eles faz com que o sentimento seja testado. E isso pode colocar tudo a perder. Será que esse casal conseguirá superar os obstáculos que surgirem ao longo do caminho e deixará o amor vencer?

Impressão do Leitor

“Nunca tive tanta certeza de que a mulher da minha vida é simplesmente você”

Gente, não quero ser repetitiva quanto a livros que entram para o roll de favoritos, mas esse ano, confesso, tá difícil não colocar alguns nesse elenco. Simplesmente Você me conquistou do início ao fim, por vários motivos. A Cissa Prado imprime uma marca própria neste livro; ela consegue, ao mesmo tempo, com o mesmo casal, trazer a comédia romântica, com cenas hilárias que me arrancaram gargalhadas; apresenta a leveza do amor romântico, que me fez suspirar e ver coraçõezinhos por onde eu andava, com borboletas no estômago também, é claro; e ainda colocou um quê de mistério com uma carga dramática que transformaram meu coração em uma bateria de escola de samba e meus olhos em um descontrolado mar de lágrimas. Fora a fluidez de sua escrita, numa linguagem clara e que nos entretém intensamente, que me fez ficar presa a essa leitura em todo o meu tempo livre, ou seja, não fazia outra coisa a não ser devorar esse livro.
Ela nos apresenta a Helena e Eduardo, um casal apaixonante, mesmo que em alguns momentos, eu confesso, deu uma certa vontade de esganar o Eduardo... Mas depois que conheci todo o mistério que o rodeava, não tinha como não me entregar a uma verdadeira paixão por ele (Helena que não me escute, com todo respeito, tá bom?).
Helena, uma mocinha encantadora. Jovem, linda (embora não se reconhecesse como tal), extremamente competente no seu trabalho, uma romântica, mas cheia de conflitos por não conseguir um relacionamento sólido. Um tanto quanto desastrada também, e dona de um apetite peculiar. Uma coisa que me cativou nessa personagem foi sua forte ligação com a família e uma fidelidade muito grande as suas amizades (preciso destacar a Vó Elvira, um capítulo a parte nesse livro, uma figura!). Possui um lado apaixonante e bastante aflorado, carregado de altruísmo e filantropia. Dona de uma personalidade instigante... Ao mesmo tempo que apresenta um lado muito doce, consegue ser mais intempestiva; é forte, mas demonstra muita insegurança em alguns momentos, especialmente no seu relacionamento com o Eduardo... Todo esse turbilhão que é Helena, me fez ficar encantada com sua personalidade, embora em alguns momentos eu quisesse dar uma sacudida nela, para chamar sua atenção para algumas coisas. O lado cômico do livro, tem muita relação com essa personalidade dela.
Já o Eduardo, um jovem imponente somente com sua presença, tem um lado muito misterioso (que foi um dos pontos altos desse livro, me fazendo queimar muitos neurônios). Em função dos seus segredos, ele possui algumas atitudes que, aos olhos dos outros, especialmente de Helena, que soam como esnobe, talvez até arrogante. Mas ao mesmo tempo, tem um lado doce e romântico que nem ele mesmo sabia que tinha e somente Helena conseguiu despertar. Um homem marcado por um trauma, um passado que deixou feridas que não permitiam que ele pudesse se envolver e entregar-se a uma verdadeira paixão, a um amor idílico, como o que sentia por Helena. Mas esse sentimento foi tão forte e intenso que contribuiu para quebrar as amarras de seu passado.
Helena e sua marca registrada, ser desastrada, foi a tônica do primeiro encontro. Mesmo em todo um contexto não muito favorável, esse encontro transformou os dois, produziu faíscas que nenhum dos dois nunca havia sentido. Apesar de ser rápido, foi extremamente marcante.
O segundo encontro, inesperado da mesma maneira, os colocou em uma situação complicada, em que precisariam de um contato mais próximo, mas ao mesmo tempo, manter uma certa distância. Contudo, o que estava destinado a ser, nada poderia atrapalhar. A medida que ambos foram conhecendo-se melhor, foi inevitável aflorar o sentimento que era apenas uma faísca de admiração e desejo, tonando-se algo mais profundo e arrebatador.

“Você é muito metido, sabia? Aposto que deve ser um filhinho de papão metido à besta. Mas, se você não está ligando, pelo menos não me prejudique. Diferente de você, eu realmente preciso desse emprego.” (Helena).

Eduardo não sabia lidar com esse turbilhão de emoções que Helena despertara nele, que, somado aos seus segredos e mistérios, fez com que lutasse contra o sentimento que apenas crescia em seu peito. Tentou evitar a ferro e fogo o que Helena estava causando em sua vida, mas o encantamento que ela despertou nele, foi mais forte do que as barreiras impostas por Eduardo. Cedeu ao desejo e ao amor que se instalou sem pedir licença, entregando-se a esse sentimento. Mas a entrega não foi completa, não permitia-se abrir-se com Helena sobre tudo que havia vivenciado, sobre os fardos pesados que ainda carregava. Tudo isso culminou em algumas crises no relacionamento e no aumento das inseguranças de Helena.

“Sim, preciso, porque eu não deveria estar agindo dessa maneira com você. Espero que não me odeie por isso, sei que deve estar me achando um idiota” (Eduardo).
“É claro que não odeio você. Apenas pensei que aquele beijo tivesse significado alguma coisa para você.” (Helena).
“Solto um suspiro de frustração. Esse homem é uma contradição ambulante. Aposto que é bipolar” (Helena).
O comportamento de Eduardo ao longo do livro é interessante demais de ser observado. Percebemos, com clareza, o encantamento que vivenciava nas mínimas coisas, aprendendo a aproveitar o simples, tudo graças à Helena. Essas novas descobertas, a possibilidade de ser ele mesmo, de perceber aspectos de sua personalidade dos quais nunca havia se dado conta, foram os responsáveis por Eduardo resolver abrir seu coração, sua vida à Helena, que por sua vez, não suportava mais essa aura misteriosa que irradiava dele assombrando seus pensamentos e o relacionamento deles. Preciso destacar o quão lindo foi o momento que Eduardo finalmente abriu sua alma para Helena, percebi a leveza tomando conta dele, por poder falar, ser ouvido, compreendido e aceito.

“Até tentei, mas não quero mais evitar o que sinto por você” (Eduardo).
“Você me faz ser uma pessoa diferente, Helena. Perdi tempo demais tentando me afastar e agora quero aproveitar cada segundo ao seu lado” (Eduardo).
“Às vezes fico pensando o que eu fiz para merecer uma garota tão especial. Você me faz acreditar que também sou uma pessoa especial”. (Eduardo)
O amor dos dois passou por várias provações, que cobraram o preço de um amadurecimento a ambos; precisaram passar por um processo de autoconhecimento para conseguirem levar adiante essa relação. Quando isso aconteceu, os dois puderam viver, com toda a força, o amor que os aplacou tão intensamente, que me vi rindo e chorando em vários momentos, dentro de um mesmo capítulo. Mesmo com toda a carga dramática, a leveza desse romance foi o que mais me encantou. Recomendo a todos essa leitura, cheia de muito amor, amizade, sentido de família, entrega, aceitação, cumplicidade e altruísmo. Lindo demais.


“Vim decidido a nunca mais deixar você sair da minha vida” (Eduardo).

Nenhum comentário:

Postar um comentário